Arquivo da categoria ‘Militares’

Seria esta uma estrutura artificial na superfície da Lua?

Um vídeo recém publicado no YouTube alega ter descoberto bases e monumentos na superfície de nossa Lua.

Se verdadeiro, o vídeo mostra formações que aparentam mesmo ser artificiais.

A pessoa que postou o vídeo escreveu a seguinte nota:

“Nossa Lua tem muitas crateras e também muitas coisas estranhas.  Veja o que eu encontrei enquanto fazia uma procura pela superfície lunar.  A NASA não quer que você veja isso.  Eles provavelmente irão editar as imagens o mais cedo que puderem”.

Veja o vídeo com as intrigantes imagens:

Fonte do vídeo: 

n3m3

Fonte: Ovni Hoje!

 

GERAÇÃO PARANÓIA COMENTA:

Não é de hoje que imagens como estas surgem na internet, mas gostaria de relatar algo que vi ontem (24/07 – 21h30), na realidade eu não estava observando a lua, estava na pausa de meu trabalho, e uma garota se aproximou de mim e de uns amigos pedindo para conferir se ela estava imaginando coisas. Nós olhamos entre si por alguns segundos, ela disse – vocês estão vendo aquilo na lua – todos nós vimos algo diferente, mas muito parecido com aquele “filamento” que vimos há algum tempo no sol, ele aparecia e depois desaparecia, infelizmente ninguém conseguiu filmar nada, mas gostaria de saber se alguém mais observou isto, afinal não encontrei nada relativo em minhas pesquisas. Bom… de qualquer forma fiquem atentos para observações, novidades, avisem.

Renan Kielel

Tradução: Caminho Alternativo

O ‘projeto anti-Assad’ foi lançado pelo Ocidente muito antes de que explodisse o conflito.

AFP / Shaam News Network

Vários dos líderes da oposição síria estão relacionados com a maquinária anglo-americana de mudança de regimes que colocou sua atenção no país árabe em 2005.

Uma quantidade de personalidades chaves da oposição leva muito tempo no exílio e começou a receber apoio financeiro do Governo dos EUA para derrubar Al Assad muito tempo antes de que estourasse a primavera árabe.

Esses porta-vozes da democracia advogam por uma intervenção militar estrangeira na Síria, o qual os converte em aliados lógicos dos neoconservadores estadunidenses que respaldaram a invasão no Iraque sob o presidente George W. Bush e que estão pressionando o Governo de Barack Obama para que intervenha na Síria.

Por isso vários representantes da oposição encontraram apoio e em alguns casos inclusive desenvolvido relações lucrativas com os advogados da intervenção militar em ambos lados do Atlântico, escreve o jornal ‘The Guardian’.

As fontes mais citadas da oposição são os representantes oficiais do Conselho Nacional Sírio (CNS), reconhecido nos meios ocidentais como a principal coalizão opositora. Estabelecidas relações mais estreitas com Ocidente, o CNS vêm chamando a uma intervenção militar estrangeira desde as fases iniciais do conflito.

Os grandes meios ocidentais se limitam habitualmente a formulações tais como “porta-voz” ou “ativista pró-democrático” sem mostrar seu histórico nem laços políticos. Porém, várias dessas fontes estão relacionadas com o negócio anglo-americano de mudança de regimes.

Bassma Kodmani

Dos porta-vozes do CNS, o de maior importância é Bassma Kodmani, membro do comitê executivo do Conselho e responsável das relações exteriores.

Este ano Kodmani esteve presente pela segunda vez numa reunião do Club Bilderberg, uma associação fechada de personalidades influentes no mundo político e econômico que muitos acreditam ter as rédeas do poder mundial.

Para a conferência de 2008 foi registrada como cidadã francesa, mas em 2012 sua nacionalidade desapareceu e foi listada como “internacional”.

 

(Bassma Kodmani na saída da conferência do Club Bilderberg
em Chantilly, Virgínia, em junho passado / facebook.com)

Um pouco antes, em 2005, Kodmani trabalhou no Cairo na Ford Foundation, uma organização sem ânimo de lucro que promove a democracia e o desenvolvimento humano, como diretora do programa de governo e cooperação internacional.

Até então, as relações entre EUA e Síria foram desintegradas e Washington chamou o seu embaixador em Damasco. “A oposição síria começou a receber dinheiro estadunidense depois de que George W. Bush congelasse de fato os vínculos políticos com Damasco em 2005”, escreve ‘The Washington Post’.

Em setembro de 2005 Kodmani foi nomeada conselheira geral de Arab Reform Initiative (Iniciativa para uma Reforma Árabe), um programa de investigação política lançado pelo Conselho de Relações Exteriores (CRE), um poderoso grupo de pressão dos EUA.

O projeto goza do apoio da elite dos serviços secretos e do setor banqueiro estadunidense, ao que se junta a supervisão financeira do Center for European Reform, com sede em Londres e vínculos com o mundo banqueiro, diplomático, industrial e da espionagem britânica.

Ademais, Kodmani conta com credenciais impecáveis na diplomacia internacional: ocupa o cargo de diretora de investigação da Academia Internacional Diplomática, uma instituição independente encabeçada por Jean-Claude Cousseran, ex-chefe da inteligência estrangeira da França.

Radwan Ziadeh é o diretor para relações exteriores do CNS. Também é membro do US Institute of Peace, um centro de estudos em Washington financiado pelo Governo estadunidense. Em fevereiro passado se uniu aos representantes da elite política estadunidense que assinaram uma carta dirigida à Obama solicitando uma intervenção na Síria.

Especialistas em relações públicas

Ausama Monajed costuma aparecer como especialista em programas televisivos. Também possui um blog em ‘The Huffington Post UK’ e não trata de suavizar seus comentários: “Vemos a civís massacrados, crianças assassinadas e mulheres violentadas na tela da televisão todos os dias”.

Monajed é assessor do presidente do CNS e o fundador de Barada Television, uma cadeia opositora com sede em Londres.

Em 2008 esteve em Washington, entre os convidados a um almoço com George W. Bush.

No ano passado o ‘The Washington Post’ citou vazamentos de correspondência diplomática divulgadas por WikiLeaks que apontam que o Departamento de Estado assignou ao menos 6 milhões de dólares para o canal Barada e outras atividades na Síria através do Movimento para a Justiça e Desenvolvimento, com sede no Reino Unido.

Monajed possui vínculos estreitos com Michael Weiss, um dos mais citados especialistas ocidentais sobre Síria e um veemente partidário da intervenção militar no país árabe. É diretor para relações públicas em Henry Jackson Society, um centro de estudos sobre política estrangeira com sede em Londres.

 

(Ausama Monajed. AFP/ Carl Court)

Monajed é também o chefe da Hamza Fakher, especialista em relações públicas frequentemente citado como fonte fidedigna sobre os crimes do regime de Al-Assad.

“Estão vendendo a ideia de intervenção militar e mudança de regime que os principais meios têm ânsias de comprar”, escreve ‘The Guardian’.

Considerando os vínculos que os líderes opositores possuem com Washington e Londres, ou seja, os que realizariam a intervenção, o jornal deduz que “a informação e estatística dessas fontes não são necessariamente notícias senão uma campanha publicitária, uma campanha relações públicas”, acrescenta o periódico.

Contagem de vítimas desde o Reino Unido

Para apresentar uma intervenção como “inevitável” se enumeram nos meios várias atrocidades, bombardeios e violações de direitos humanos presuntamente cometidos pelo regime de Al-Assad.

Como fonte de uma avalanche destes dados destaca o Observatório Sírio de Direitos Humanos, com sede no Reino Unido. É muito difícil encontrar um meio que não o cite. Mas que são? “É Rami Abdulrahman, que reside em Coventry”, Reino Unido, escreve ‘The Guardian’.

“Quando não responde às chamadas dos meios internacionais, Abdulrahman está en sua loja de roupa que gerencia com sua esposa, localizada a poucos minutos de sua casa”, segundo um informe da Reuters em dizembro passado.

Não há escassez de notícias sobre o conflito na Síria. Porém, enquanto não se divulgam as fontes de informação, a máquina da guerra informática vai ganhar terreno. Mas a democracia que publicitam os inimigos do “autoritário” regime de Al-Assad de nenhuma forma garantem que no caso de sua queda o país continue independente.

Fonte: RT

Via: Caminho Alternativo

Tradução: Caminho Alternativo

facebook.com 

 

Cresce a preocupação pela intervenção do Exército nos assuntos internos do país

A imagem publicada no Facebook de um avião militar C-130 fumigando a localidade de Homestead na Flórida (EUA) suscitou uma forte polêmica na sociedade estadunidense e demonstra a preocupação pela intervenção do Exército nos assuntos internos do país.

A imagem foi tomada por Tico Vilarioo, um vizinho da localidade que agora acusa o Governo de violação da Posse Comitatus Act, uma lei federal que estabelece limites ao Governo na utilização de militares como forças de órdem.

“Agora os militares aplicam inseticidas. estão usando aviões C-130, que voam a 50 metros sobre as cabeças. Eu fui literalmente fumigado porque estava fora de casa limpando e dando de comer aos animais. Por que os militares foram autorizados a participar em operações civis? Me parece que isto infringe a Posse Comitatus Act do ano 1878, não? Este avião sobrevoou várias vezes minha casa”, se indigna Vilarioo.

Segundo a imprensa estadunidense, a fumigação não só foi realizada em Homestead, senão também em outras cidades do estado da Flórida, como Doral, West Sweetwater, Kendall e Florida City.

A imagem causou a ira de muitos usuários do Facebook, que expressaram muito claramente sua opinião: “O Governo agora não obedece a Carta de Direitos e a Constituição”. ”Quanto custa isto? Está pago com nossos impostos? Isto não pode ser bom para os humanos!”.

Até o momento o Pentágono não comentou esta informação.

Os meios locais dizem que em todo o país o Exército realiza periódicamente operações com a finalidade de que os estadunidenses se acostumem com seu papel de forças da ordem em seu próprio país.

Fonte: RT

Comentário do blog (Caminho Alternativo):

Atenção!

No próximo 27 de Julho de 2012, tratarão de impôr uma lei de desarmamento da população civíl Norteamericana.

http://www.dickmorris.com/us-will-sign-gun-control-treaty-on-july-27-dick-morris-tv-lunch-alert/

Petição criada para impedir o desarmamento da população e deixá-los expostos ao controle do Estado Totalitário:

http://dickmorris.rallycongress.com/7175/gun-control/

Isto explica o porquê dos militares já estarem circulando pelas ruas, centenas de tanques e drones estejam em operação e vários campos de concentração da FEMA sendo construídos(com milhares de caixões para cadáveres), o objetivo é desarmar a população estadunidense e criar uma 2ª Guerra Civíl. Morrerão milhares ou milhões de civís, porque a população não entregará suas armas.

Tudo planejado pelo lobby judaico-sionista Illuminati que pretende reduzir a população mundial e estebelecer o seu IV Reich Nazi-Sionista.

Tropas e tanques militares em treinamento nas ruas dos EUA

Via: Caminho Alternativo

Em 2010 a Fundação Rockefeller publicou um documento no seu site Cenário para o Futuro da Tecnologia e do Desenvolvimento Internacional, que traça um cenário de uma série de acontecimentos previsto entre 2012 e 2020, denominada por eles como a “Década Doom”.

O interessante além das previsões é a maneira como o documento foi escrito, usando a linguagem no passado, como se todas as previsões já tivessem acontecido.

O documento na íntegra pode ser lido no link abaixo:
http://www.rockefellerfoundation.org/uploads/files/bba493f7-cc97-4da3-add6-3deb007cc719.pdf

Vejamos o exemplo da página 34 do documento, traduzido por Sergio Russo:

Choques devastadores como o 11 de setembro, o tsunami no Sudeste Asiático em 2004 e o terremoto de 2010 no Haiti, certamente prepararam o mundo para os grandes desastres. Porém, ninguém está preparado para um mundo onde ocorreriam em larga escala grandes catástrofes que poderiam advir com uma frequência de tirar o folêgo. Os anos de 2010 a 2020 foram lembrados como a “Década Doom”, e por uma boa razão: As bombas dos jogos olímpicos de 2012 que mataram 13 mil pessoas, sendo logo seguidas por um terremoto na Indonésia matando 40 mil pessoas; por um Tsunami que quase varreu a Nicarágua do mapa; e uma onda de fome no Oeste da China causado por algo que somente acontece uma única vez em um milênio e relacionado à mudança climática….”

Existe também a previsão de uma pandemia, onde cerca de 20% da população mundial seriam infectadas e 8 milhões de pessoas morreriam. Devido a esta pandemia, as populações aceitariam governos mais autoritários e um controle mais apertado de todos os aspectos da vida, incluindo identificações biométricas para todos os cidadãos.

Dentro dessa década a Fundação prevê que irão ocorrer uma série de ataques terroristas, desastres naturais, confrontos civis e colapsos financeiros.

O documento também prevê que em 2015 a maior parte das forças armadas americanas abandonariam os países estrangeiros em que se encontram estacionadas, como o Afeganistão, para permanecerem nos EUA. Entretanto, os fundamentalistas islâmicos voltariam ao poder.

As nações perderiam toda a sua soberania financeira devido às dívidas maciças acumuladas, para tecnocratas controlados pelos maiores bancos europeus e americanos.

Devido à corrupção em organizações como a Organização Mundial de Saúde, vacinas falsificadas provocariam mortes em massa.

O terrorismo cibernético e as organizações mafiosas de hackers tornariam-se frequentes e muito sofisticadas. Em 2017, cientistas africanas voltariam aos seus países de origem, levando consigo o conhecimento adquirido em multinacionais ocidentais, e a cultura de organismos geneticamente modificados se espalhariam por todo o continente africano, elevando assim a produtividade agrícola de forma significativa.

As diferenças sociais entre ricos e pobres seriam gradualmente mais significativas, até que a classe média desaparecesse. As classes altas viveriam em condomínios fechados, enquanto os novos pobres seriam empurrados para guetos. (Você realmente achou que as UPPs eram programas de pacificação nas favelas?).

O documento prevê que em 2030 a nova ordem global esteja finalmente estabilizada, e que as diferenças entre países ricos e pobres não façam mais sentido.

São feitos vários cenários para as alterações climáticas, surgindo um novo sistema econômico global baseado na economia verde, que seria estabilizado em 2018. O colapso social levaria a um êxodo maciço das áreas rurais para os ambientes urbanos.

No futuro, segundo o documento, apenas os ricos poderiam viajar, devido ao aumento dos preços dos combustíveis e das restrições de segurança.

Engraçado não é mesmo? Os Rockefeller integram a Elite que comanda, controla, induz o mundo que você conhece, não serão tachados de conspiracionistas, loucos, apocalípticos ou ridicularizados como geralmente são os blogueiros espalhados por esse mundão que de várias maneiras tentam expor pelo menos parte dos planos , como toda a sujeira se espalha, como ocorre a manipulação, a trupi da Elite serão considerados daqui alguns anos como visionários, mesmo que esse mesmo clã tenha influenciado os eventos políticos, econômicos, sociais, educacionais até o presente ou seja o cenário que eles próprios criam (os scripts) é que moldam o futuro que eles “estão prevendo”.

A Fundação Rockefeller não só esbanja poder, mas é respeitada, não é a previsão de 13.000 mortos nas Olimpíadas que devem ser consideradas, mas a tendência mundial que foi apresentada no documento que é exatamente aquilo que muitos de nós (blogueiros) expomos todos os dias, o cenário que se desenrola a conta gotas e ninguém percebe ou deseja perceber.

A cura vem em doses homeopáticas, a Nova Ordem Mundial também. O documento prevê:

Aumento dos ataques terroristas
Eventos climáticos extremos (secas e inundações)
Terremotos e tsunamis varrendo o globo
Terrorismo cibernético
O aumento de alimentos geneticamente modificados
Colapso Financeiro
Aumento dos preços dos combustíveis
Perda da Soberania financeira das nações
A extinção da classe média
Milhões de mortes relacionadas à pandemias
Guerras e confrotos civis
Islamismo no poder
Fim da liberdade individual como conhecemos com aceitação da população
Identificação biométricas (chips)

Tudo isso precisa acontecer para que em 2030 uma nova ordem global esteja finalmente estabilizada, e que as diferenças entre países ricos e pobres não façam mais sentido.

Problema – Reação – Solução.

Que lindo!

É surpresa pra você, o documento te mostrou alguma novidade?
Deve servir para aquele que não respeita o conspiracionista maluco mas respeita a Instituição Rockefeller, se os caras estão prevendo tudo isso, é melhor dar crédito às tendências, mesmo que elas sejam muito parecidas com as nossas.

Só faltou previsões sobre o Sol, Nexus, Nibiru, Ets e Chemtrails, mas calma, tudo acontece em doses homeopáticas e no seu tempo ou melhor, no tempo deles, afinal, depois das previsões acima é preciso manter a credibilidade da Instituição.

Ravena

Fonte: Evoluindo Sempre

 

GERAÇÃO PARANÓIA COMENTA:

O que posso dizer de uma pessoa consciente é pouco quando leio os posts ultra completos, a Ravena é espetacular, um ser humano surpreendente, assim como seu blog, visitem!

À pouco postei algo li no Caminho Alternativo que expressa e se encaixa neste post, então para não ficar repetitivo, apenas peço que todos leiam este post com atenção e se acharem que o conteúdo não for suficiente, como sempre digo:

PESQUISEM!

Uma mente consciente é aquela que enxerga e opina!

Renan Kielel.

Tradução: Caminho Alternativo

Um autor e veterano do Corpo de Marines dos EUA afirma que Israel planejou os ataques do 9/11, dizendo que, se os norteamericanos fossem informados sobre isto, exterminariam o regime sionista.

“Tive longas conversas durante as últimas duas semanas com contatos no Colégio de Guerra do Exército, na sede do Corpo de Marines, e deixaram absolutamente claro, em ambos casos, que é 100 por cento certo que o 9/11 foi uma operação do Mossad. Ponto.“, disse Alan Sabrosky, escritor e consultor especializado em assuntos nacionais e internacionais de segurança, num clip que aparece no site de opinião pública de intercâmbio de vídeos YouTube.

Sabrosky disse que seus colegas, que ainda estão em serviço, reagem inicialmente com incredulidade à suas afirmações, mas ao dar suas explicações em relação à demolição controlada dos edifícios, a incredulidade dá lugar à raiva.

“Em primeiro lugar está a incredulidade, e logo, quando lhes mostro imediatamente uma entrevista com um especialista em demolições, chamado Danny Jowenko, e este mostra o terceiro edifício do World Trade Center caindo – ou WTC7 – “O que é necessário é dizer isto para as pessoas: Três edifícios cairam, e o terceiro não foi impactado por um avião, estava conectado à demolição controlada, portanto, todos estavam conectados à demolição controlada. E nesse ponto a reação é de raiva. Em primeiro lugar a incredulidade, e logo a raiva “, agregou.

Sabrosky disse que, se os norteamericanos fossem informados da verdade por trás dos ataques, não duvidariam em eliminar Israel sem nenhuma consideração pelos custos envolvidos.

“Se os estadunidenses souberem que Israel fez isto, o removeriam da Terra”, disse.

Em 11 de setembro de 2001, levaram a cabo uma série de ataques coordenados nos Estados Unidos, segundo informes, deixando quase 3.000 mortos.

O governo dos EUA afirmou que 19 terroristas, supostamente relacionados com o mistério, Afegãos do grupo Al-Qaeda, sequestraram quatro aviões comerciais de passageiros para levar a cabo os ataques.

O relatório oficial dos EUA dos acontecimentos do 11 de setembro foi, porém, amplamente questionado por diversos setores nos EUA e em todo o mundo.

EUA, sob a administração do ex-presidente George W. Bush, invadiu Afeganistão em 2001, depois de afirmar que os ataques do 9/11 foram realizados pelos membros da Al-Qaeda, albergados pelo regime talibán no Afeganistão.

EUA também atacou o Iraque em 2003, insistindo que o país rico em petróleo estava em posse de armas de destruição em massa (ADM).

Em 22 de setembro de 2011 perante a Assembléia Geral da ONU, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, pediu uma investigação internacional independente sobre o incidente de 9/11, dizendo que os ataques deram aos EUA a desculpa conveniente para liderar guerras no Afeganistão e Iraque.

“Os sionistas estão levando isto como um verdadeiro exercício de tudo ou nada, porque se perderem, se a população estadunidense perceber o que aconteceu, serão eliminados”, concluiu Sabrosky.

Fonte: PressTV

Visto em: Falsas Banderas

Via: Caminho Alternativo

GERAÇÃO PARANÓIA COMENTA:

Boa tarde, meu nome é Renan Kielel, falando diretamente de São Paulo através da sua, da minha e da nossa Geração Paranóia trazendo agora uma nova e bombástica notícia…Israel fez parte do ataque de falsa bandeira no famoso 11 de setembro.

Meu, cara…ô loco…SÉRIO!

Desculpem a brincadeira, mas não é novidade alguma já que são eles  que programam a agenda sionista, agora não sei se o fato de as pessoas estarem vindo a público falar sobre o assunto, o que vem acontecendo com frequência nos últimos meses, é algo que já faz parte da agenda ou não, mas vamos assimilar sobre o texto acima.

Houve várias “teorias” sobre como o “ataque” fora feito, e entre nós, algumas bem bizarras que ridicularizavam até mesmo a verdade absoluta. Mas esse sujeito, o veterano marine Sabrosky, vem com um material objetivo, uma demolição controlada e planejada  pela mossad, mais uma vez – que novidade! – de todas as possibilidades e avaliando os fatos, esta declaração de Sabrosky é a mais incisiva e clara de que Israel realmente orquestra ataques pelo mundo em pró do regime sionista.

PESQUISEM!

O que fazer nestas condições? Nada. Porque? Nenhum de nós tem recursos materiais para impedi-los, mas no futuro eles cairão de bu… no chão, implorando por clemência, que eu cederia, mas não dou garantias pelos outros. Vou finalizar com promessas de que mais informações sobre 9/11 virão à tona para nos desviar do foco, que seria os Jogos Olímpicos.

PARIS, 6 Jul (Reuters) – A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, cobrou nesta sexta-feira uma maior pressão das potências mundiais sobre Rússia e China para mostrar que eles terão um preço a pagar por impedirem um maior progresso rumo à transição democrática na Síria.

“Francamente não basta vir ao encontro dos Amigos do Povo Sírio porque vou dizer muito francamente, não acho que Rússia e China achem que estão pagando algum preço, nenhum, por estarem do lado de Assad”, disse Hillary num encontro de países que buscam acelerar a saída do presidente sírio, Bashar al Assad.

“A única forma disso mudar é se toda nação representada aqui deixar claro, de forma direta e urgente, que Rússia e China vão pagar um preço porque estão impedindo o progresso, bloqueando, e isso não é mais tolerável”, acrescentou.

Rússia e China vetaram resoluções no Conselho de Segurança da ONU que aumentariam a pressão sobre Assad, que luta há 16 meses para reprimir uma rebelião contra o regime de 42 anos de sua família.

Hillary repetiu que os EUA desejam uma resolução da ONU sob o Capítulo 7 da Carta das Nações Unidas, que permite ao Conselho de Segurança autorizar ações que vão da diplomacia a sanções econômicas e intervenção militar.

(Reportagem de Arshad Mohammed)

Fontes: Yahoo Notícias / G1

Via: Nos dias de Noé

GERAÇÃO PARANÓIA COMENTA:

O que dizer de uma mulher tão polida, simpática e consciente de seus atos contra a humanidade. A dona Hillary, perdão, a Secretária de Estado dos EUA, vossa excelência, Hillary Clinton, é uma fanfarrona arrogante sionista e adora o gosto do sangue que ela manda derrubar, o pior de tudo é que não é a primeira vez que ela ameaça oficialmente um estado, mas ameaçar Rússia e China me parece arriscado, que na minha opinião são tão gigantes quanto os EUA e estão aguardando que os sionistas, não que existam russos e chineses envolvidos na agenda, é bem possível que sim, mas assim que  a LIGA SIONISTA agir, estes dois países mostrarão do que são capazes.

Eles permanecem quietos, apenas vetando sanções com a intenção de minar a política estadunidense, fazendo com que os reis do mundo se enfureçam, para todos se envolvam e deem inicio ao que todos tememos e ao mesmo tempo sabíamos que aconteceria, nos resta continuar aguardando todas as tropas se posicionarem e ficarmos de olhos abertos nos Jogos Olímpicos.

Ainda dúvidas acerca de quem está a combater na Síria?

Eis a ajuda do New York Times: e as dúvidas desaparecem…

De acordo com funcionários dos serviços secretos árabes e norte-americanos, agentes da CIA estão a operar no sul da Turquia para decidir quais guerrilheiros podem receber armas, através da fronteira, para lutar contra o governo sírio.

As autoridades falam em metralhadoras, granadas, munições e algumas armas anti-tanque que passam através da fronteira com a Turquia com uma rede de intermediários, incluindo a Irmandade Muçulmana, Arábia Saudita e Qatar.

Um alto funcionário americano disse que agentes da CIA entraram no sul da Turquia há várias semanas, em parte para manter as armas fora das mãos dos guerrilheiros aliados à Al-Qaeda ou outros grupos terroristas. A Administração Obama afirma que não está a fornecer armas aos rebeldes, mas também reconhece que os Países que fazem fronteira com a Síria teriam feito isso.

Os esforços dos ilegais da intelligence é o exemplo mais detalhado e conhecido do suporte Americano na campanha militar contra o governo sírio. Também é parte da tentativa de Washington de aumentar a pressão sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, que recentemente aumentou a repressão mortal contra os civis e as milícias que combatem o seu poder. Com a Rússia, que coloca o próprio veto a uma fase mais agressiva contra o governo Assad, os Estados Unidos e os seus aliados têm preferido recorrer à diplomacia e apoiar os esforços dos aliados, armando os rebeldes para forçar a Assad a deixar o cargo.

Com o fornecimento para os rebeldes, os operacionais da intelligence americana na Turquia esperam aprender mais sobre a crescente rede de opositores na Síria e estabelecer novos laços com eles. “Os agentes da CIA estão no lugar e tentam buscar novas fontes e novas pessoas para recrutar”, diz um oficial da intelligence árabe regularmente informado pelos colegas americanos.

Funcionários norte-americanos e veteranos da CIA afirmam que a Administração “está a considerar ajuda adicional para os rebeldes, como o fornecimento de imagens de satélite e outros detalhes sobre a posição e a movimentação das tropas do governo sírio. Dizem que a Administração está a ponderar a possibilidade de ajudar a oposição para formar um serviço secreto rudimentar, mas ainda não tomou qualquer decisão sobre essas medidas ou acerca de tornar a ação mais agressiva como o envio directo de agentes da CIA na Síria.
[…]

O Departamento de Estado autorizou 15 milhões de Dólares em ajuda não-letal, tal como suprimentos médicos e equipamentos de comunicação para os grupos de oposição na Síria.

O Pentágono continua a desenvolver uma série de operações militares, a pedido de Obama no início de Março para o planeamento de emergências. Martin E. Dempsey, presidente do Joint Chiefs of Staff (Estado-Maior Conjunto, ndt), disse aos senadores que as opções consideradas incluem pontes aéreas humanitárias, a vigilância aérea do exército sírio, e a criação de uma zona de exclusão aérea.

Além disso, os militares têm elaborado um plano de como as tropas da coligação devem proteger os estoques de armas químicas e biológicas na Síria, caso uma verdadeira guerra civil ameace a segurança.

Mas altos funcionários do governo têm enfatizado nos últimos dias que a opção militar não é considerada. “Nesta altura, qualquer coisa acerca da Síria seria hipotético em casos extremos”, disse aos repórteres o general Dempsey.

Desde Março, o que mudou é o fluxo das armas e de munições aos rebeldes. De acordo com os membros do Sirian National Council e outros ativistas, os ataques aéreos cada vez mais ferozes visam combater as forças rebeldes, cada vez mais armadas e coordenadas.

Esses ativistas disseram no mês passado que veículos do exército turco entregaram armas anti-tanques perto da fronteira, donde a seguir foram contrabandeadas para a Síria. A Turquia tem repetidamente negado e tem afirmado que estavam apenas a enviar ajuda humanitária para a oposição, em grande parte nos campos de refugiados perto da fronteira. Mas os ativistas afirmam que os Estados Unidos tinham sido consultados sobre a transferência de armas.

Bastante claro, não é?

Fontes: Um Novo Despertar / Informação Incorrecta

Via: Nos dias de Noé