INVESTIGAÇÃO SOBRE A ANOMALIA EM VÊNUS – ENTENDENDO O SISTEMA SOLAR

Publicado: 16/05/2012 em Geral, Mistério, Planeta, UFO
Tags:, , ,

Visto em/Tradução: Caminho Alternativo

Quase três anos de investigação para encontrar uma ocasião única para poder traçar “por fim” uma lógica no Sistema Solar que consiga explicar todas e cada uma das anomalias das últimas descobertas.

Para isto, algo tão simples como o trânsito de Vênus, algo que só pode vivenciar no que se denomina “pares”, ocorrendo em duas vezes a cada 8 anos com intervalos de entre 109 e 121 anos.

A seguir oferecemos todos os duplos trânsitos de Vênus, passados, presentes e futuros desde o ano -1999 ao ano 3956: (Fonte NASA)

Transits of Venus
Six Millennium Catalog: 2000 BCE to 0001 BCE
(Astronomical Years: -1999 to 0000)

Transits of Venus
Six Millennium Catalog: 0001 CE to 2000 CE
(Astronomical Years: +0001 to +2000)

Transits of Venus
Six Millennium Catalog: 2001 CE to 4000 CE
(Astronomical Years: +2001 to +4000)

Estranho, não é verdade? Mas desta vez, nossa geração será testemunha do tempo, já que veremos o último dos dois duplos trânsitos de nossa geração. O primeiro deles foi em 2004, e apenas revestiu interesse na comunidade científica, passou sem pena nem glória.

Ao contrário, neste segundo trânsito, as coisas são diferentes, por quê?

1º.-Porque pela primeira vez somos conscientes de que Vênus não viaja sozinho, assim que teremos a oportunidade de comprovar de forma definitiva se as hipóteses sobre a Perturbação de Sagitário são realmente verdadeiras, já que se dão as condições absolutas de observação para monitorar todas as anomalias internas do sistema Solar.

2º.-Porque pela primeira vez, com o equipamento técnico disponível, seremos capazes de compreender realmente, o alcance e configuração de nosso Sistema Solar, um grande desconhecido para os cientistas apesar de de orgulharem de conhecê-lo. Certamente conhecemos muito pouco de nosso Sistema Solar e do comportamento da nuvem de Oort, mas este trânsito de Vênus, nos permitirá entender e esclarecer muitas das incógnitas que até agora permaneciam em interrogantes.

Daí, que a cada hora, a cada minuto, a cada segundo, estejamos permanentemente monitorando satélites, verificando fotos, e reportando análises que nos próximos 20 dias serão uma atividade quase exclusiva de estudo em equipe.

3º.-Até aqui temos visto, detectado e medido um objeto que acompanha a Vênus e que curiosamente coincide com as observações históricas que já o fizera outros no passado com menores meios técnicos dos que hoje dispomos. O hipotético Neith, que se atribuiu como satélite de Vênus, e que o mesmíssimo Edward Emerson Barnard tentou monitorar sem êxito, mostrava uma órbita de 1.080 dias e um trânsito convergente com Vênus.

Certamente, nunca se consiguiu voltar a fotografar o misterioso objeto, até o dia 5 de Maio. Mas a questão é muito mais profunda do que parece.

Realmente estamos falando de Neith? Ou será esta observação a que nos permitirá encaixar todas as peças que nos faltavam para entender o Sistema Solar?

O que está claro é que teremos uma oportunidade única para elucidá-lo.

E a cada instante de nosso tempo é um laboratório de dados procedentes de todas as análises de parâmetros, séries históricas, fotos informes, observações posicionais e folhas de trabalho. Um autêntico tsunami de dados que já temos em cima da mesa, e que pela primeira vez parece encaixar, devido a que os próximos dias serão cruciais para o entendimento de fenômenos que até agora não podíamos discernir.

I.-A anomalía de Vênus Persiste.

Apesar de que os satélites tenham cortado a transmissão de imágens correspondentes aos dias posteriores à 9 de Maio de 2012, temos diferentes dispositivos de fotografia direta apontando para Vênus, e voltamos a fotografar a anomalía, tal e como já foi abordado no artigo anterior.

Detalhamos aqui a lista de observações e magnitudes conforme à metodologia de observação que estamos seguindo desde a primeira pesquisa.

Para um correto acompanhamento e análise do estudo, recomendamos que leiam e imprimam as pesquisas anteriores, para evitar reiterar continuamente os mesmos conceitos.

Nesta ocasião conseguimos chegar a simular graças aos dados dos observadores que fotografaram a anomalia o trânsito do objeto e sua órbita, mas não nos anticipemos aos resultados. Continuemos analisando as premisas e os dados do estudo.

A questão de base corresponde à anomalia que segue ali.

II. Reconstruindo dados e órbitas no modelo.

Traçando os dados e utilizando o simulador orbital desenvolvido pela Universidade do Colorado em base aos esforços conjuntos de há dois anos, (Etapa 2009), temos consguido identificar que existe uma órbita chave no modelo como é la trajetória de determinados cometas e asteróides que provêm do Cinturão de Asteróides. Neste caso o Cometa Borrelly é chave na determinaçã do modelo.

Por que o cometa Borrelly é chave?

O cometa apresenta várias peculiaridades incompatíveis com um modelo baseado na atual concepção do Sistema Solar, que induz a pensar num binarismo estelar assim como em outros planetas orbitando de forma altamente excêntrica e perpendicular à elíptica. A questão reveste um interesse científico sem precedentes no campo da cosmología, já que explicaria a existência do cinturão interior de asteróides, o cinturão de Kuiper, o denominado acantilado de Kuiper, as forças de repulsão e contração anômalas das sondas espaciais e a configuração da nuvem de Oort.

Mas não só termina aqui, pois pela primeira vez encaixaria o denominado impulso estelar e galático, assim como a força de projeção e a densidade de concentração de elementos cometários e asteróides , a exata posição dos cinturões e a anomalia de Plutão e sua órbita. (Lembremos o estudo apresentado em 2010 por John J. Matese, Daniel P. Whitmire Título: Evidência persistente de uma companheira do Sol com massa superior à Júpiter na Nuvem de Oort.)
Os dados do Cometa Borrelly:

A peculiariedade do cometa, reside em sua órbita.

Inclinação     30,3°
Argumento do periastro     1,35 UA
Semieixo maior     3,59 UA
Excentricidade     0,967990
Periastro ou perihélio     1,35 UA
Apoastro ou afélio     5,83 UA
Período orbital sideral     6,8 anos
Último perihélio     22 de julho de 20081
Próximo perihélio     28 de maio de 20151

Conjuntamente com a órbita de outros cometas como o Halley:

Implicam uma sequência de diferentes corpos que conformariam as estruturas dos diferentes cinturões de Asteróides e sua conformação, especialmente em relação ao cinturão de asteróides.

Estrutura do cinturão de asteróides.

III.-Simulando a órbita com as posições monitoradas nas pesquisas do artigo anterior.

A reconstrução e posições em relação as observações nos oferece alguns resultados que nos sorpreenderam. A falta de confirmar as novas observações durante os próximos dias, conseguimos reconstruir uma órbita hipotética que reproduzimos abaixo:

A órbita do objeto, teria os seguintes dados:
Período orbital: 2,926 anos.
Excentricidade: 0,75.
Velocidade Média: 33,731 Km/segundo.

Curiosamente, a órbita do objeto localizado, coincidiria com a do hipotético Neith: (O hipotético Neith, que foi atribuido como satélite de Vênus, e que Edward Emerson Barnard tentou monitorar sem êxito, mostrava uma órbita de 1.080 dias e um trânsito convergente com Vênus).

Efetivamente, o objeto teria sua máxima aproximação a 0,4UA do Sol e seu máximo distanciamento a 3UA, com um período orbital de 1068 dias, que praticamente coincide com a hipótese de Barnard em relação a Neith. Casualidade?

Mas curiosamente, temos reportadas outras anomalias relativas ao trânsito de outros objetos em diferentes órbitas, coeerentes com um modelo hipotético de referência que encaixaria todos os cinturões e sua lógica.

O certo é que se sabemos, de acordo com as análises e informes preliminares que a posição da Anã Marrom está entre as 230 AU e a aproximação máxima ao Sol se verifica em 200- 220UA, coincidiria com o que denominamos o acantilado de Kuiper, e explicaria por que o giro do objeto está deslocando os corpos mais exteriores ao interior de Kuiper, desde a parte mais afastada de Oort, pelo que o ponto mais afastado da EM estaria justo nessa posição, a uma distância de 20.000UA. Isto explicaria a configuração de Oort, assim como a dispersão e concentração de asteróides e cometas dessa região.

No mesmo sentido ver ( John J. Matese, Daniel P. Whitmire Título: Evidência persistente de uma companheira do Sol com massa superior a Júpiter na Nuvem de Oort.) e também no livroA búsca de Nibiru.

Assumindo que após as observações da anomalía de Vênus deen como resultado nos próximos dias, teríamos fechado um modelo em que estaríamos falando de três órbitas coincidentes com três planetas novos que gerariam uma dispersão e configuração do modelo de cometas e asteróides e o mais exterior deles justificaria as órbitas de Plutão, assim como a concentração e dispersão do Cinturão de Kuiper.

Da mesma forma, estes objetos foram e são, satélites compartilhados com a Anã Marrom, gerando um equilibrio de forças, que em virtude das distintas conjunções e aproximações no passado, explicariam as glaciações, as extinções e as mudanças climáticas, assim como os ciclos solares e as perturbações encontradas em todo o Sistema Solar.

No momento, o modelo se apresenta a modo de hipótese, mas encaixaria com todos os estudos e dados apresentados até o momento pela equipe e por toda a comunidade Internacional, explicaria as anomalias da Lua, os deslocamentos orbitais relativos da Terra, ao longo das eras, e é claro as órbitas de todas as rotas cometárias.
Curiosamente, se se confirma a órbita do objeto detectado em Vênus, e que tudo aponta a que se trate do mesmo período em dias que apontava Barnard, com tão somente 12 dias de diferença no cálculo, obtidos utilizando o simulador da Universidade do Colorado, o passo seguinte é determinar por cada elíptica uma órbita, já que estariamos falando de três Planetas: X,Y e Z).

O modelo, poderia ser esquematizado como o seguinte:

1º.-Planeta X: (O mais interior).
Período orbital: 2,926 anos.
Excentricidade: 0,75.
Velocidade Média: 33,731 Km/segundo

2º.-Planeta “Y”. Mais exterior, com uma órbita semelhante à que apresenta o Cometa Borrelly.

Os dados deste hipotético Planeta seriam:

Período orbital: 7,142 anos.
Excentricidade: 0,75.
Velocidade Média: 23,383 Km/segundo.

Explicaria a dispersão-contração do Cinturão central de asteróides, a formação da Lua e dos satélites de Júpiter.

3º.-Planeta “Z”. Órbita muito mais afastada.
Período orbital: 253,142 anos.
Excentricidade: 0,75.
Velocidade Média: 7,120 Km/segundo.

O modelo explicaria a órbita de Plutão, a existência de Sedna, a acumulação e dispersão de objetos em Kuiper ao interior, a presença destes objetos extremamente densa destes objetos a partir da órbita de Netuno. As Luas de Netuno, Urano, Saturno e as perturbações detectadas em Urano e Netuno. Também explicaria a órbita dos cometas transnetunianos.

IV.-Hipótese de simulação global do modelo.
De acordo com tudo que foi exposto, teríamos os seguintes esquemas de simulação do modelo:

Esquema dos Planetas “X” e “Y”, do modelo interior.  Observem embaixo, o deslocamento das órbitas destes planetas em cada rotação. Este deslocamento sería o causador da dispersão dos cometas e asteróides no cinturão de asteróides localizado entre Marte e Júpiter entre (2-2.5 UA).

O modelo apresenta grande coeerencia interna, já que explica a atual configuração do Sistema Solar. Adicionalmente, para as órbitas mais exteriores, tomemos a referência de Oort:

Justo no diagrama superior temos a concepção clássica (atual ) da Nuvem de Oort.
Abaixo, colocamos em superposição as órbitas dos planetas interiores, do Planeta “Z” e da Anã Marrom, e teríamos o seguinte diagrama:

Finalmente este modelo encaixaria com os movimentos oscilatórios e a estrutura do diagrama de composição da nuvem de Oort, e explicaria todos os eventos detectados no Sistema Solar, as órbitas circulares e excêntricas dos planetas, a presença do acantilado de Kuiper-Oort. Dependendo das variações e posições dos planetas mais externos e da coincidência com o giro de cada passo da Anã Marrom, se produziriam os distintos ciclos solares e as modificações e reversões geomagnéticas de caráter Global.

Se desejarem acessar o simulador desta pesquisa, clique neste link.

Fonte: StarViewer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s