ENVIAR LIXO TÓXICO PARA PAÍSES POBRES É CONSIDERADO “AJUDA HUMANITÁRIA”?

Publicado: 18/04/2012 em Falsa Política, Geral
Tags:,

Empresa britânica admite ter exportado dejetos ilegalmente ao Brasil

Reino Unido – Uma companhia britânica admitiu, quinta-feira, ter enviado ilegalmente ao Brasil 89 contentores com mais de 15.000 toneladas de plástico que eram resíduos domésticos.

Diante de um alto tribunal de Old Bailey, a empresa londrina Edwards Waste Paper declarou-se culpada de ter exportado dejetos, o que vai contra a legislação da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico.

Dois directores da empresa, entre eles Simon Edwards, reconheceram também sua culpa e esperam agora a sentença do tribunal.

Outros dois cidadãos, Júlio da Costa e Juliano da Costa, acusados de ter concluído o envio para o Brasil, não se reconheceram culpados, e agora terão de se apresentar a julgamento a partir de Outubro.

As autoridades brasileiras descobriram a carga ilegal há três anos em um cais, e esta foi devolvida ao Reino Unido, onde foi desinfestada em Felixstowe, sudeste da Inglaterra.

“A exportação ilegal de resíduos representam um risco para a saúde humana e para o meio ambiente no país de exportação”, disse a chefe da Agência Nacional do Meio Ambiente, Andy Highman.

“Além disso, atinge a indústria de reciclagem do país”, completou.

————————————

Para Relembrar

Em 2009 –

INGLATERRA MANDA LIXO PARA O
BRASIL

A Receita Federal e o Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul investigam o desembarque de 64 contêineres carregados com cerca de 1.200 toneladas de lixo tóxico, domiciliar e eletrônico nos portos de Rio Grande (RS) e Santos (SP).

O lote de lixo, que equivale a 7,7% do que é produzido por dia no município de São Paulo, veio da Inglaterra e foi enviado irregularmente ao Brasil, segundo a investigação.

40 contêineres estavam retidos em Rio Grande, oito foram parados na estação aduaneira de Caxias do Sul (RS) e 16 no Porto de Santos.

Na documentação entregue nas alfândegas, consta que a carga seria de polímero de etileno e de resíduos plásticos, que deveriam ser usados na indústria de reciclagem.
No entanto, além de sacolas plásticas, havia papel, pilhas, seringas, banheiros químicos, cartelas vazias de remédios, camisinhas, fraldas, tecido e couro, dentre outros.

Moscas e aranhas também foram encontradas nos contêineres.

O que chamou a atenção é que em um doscontêineres havia um tonel com brinquedos onde estava escrito:

“Por favor: entregue esses brinquedos para as crianças pobres do Brasil. Lavar antes de usar”

A carga partiu do porto de Felixstowe, um dos maiores do Reino Unido.

O presidente Lula se manifestou: não queremos importar lixo, como também não queremos mandar o nosso lixo a ninguém. E alfinetou os europeus: Eles, os membros da União Européia, que se dizem tão limpos, querem se descontaminar nos enviando uma montanha de lixo e dizem que é para reciclar. Mas quem vai reciclar preservativos?

————————————

Para relembrar 2

Em 2011 –

Lixo eletrônico em países pobres

Área dedescarte de eletrônicos

O Laboratório Federal para Ciência e Tecnologia de Materiais da Suíça (Empa) registrou os principais centros de reciclagem informal de lixo eletrônico em 11 países do mundo, em um esforço para chamar a atenção sobre os perigos da contaminação causados pelo processo.

O chefe do departamento científico da instituição, Mathias Schluep, disse à BBC Brasil que os países do oeste da África são os principais receptores de eletro-eletrônicos europeus e norte-americanos de segunda mão, parte dos quais se transforma rapidamente em lixo.

O transporte do lixo eletrônico, proibido internacionalmente, é feito de maneira clandestina para países africanos e asiáticos misturado a carregamentos de eletrônicos de segunda mão importados de países desenvolvidos.

“Os equipamentos usados são revendidos na África e na Ásia preços muito baixos. No entanto, cerca de 30% deles chegam quebrados. Metade deste total é conserta e revendida e a outra metade é descartada imediatamente”, disse Schluep.

Em Gana, um dos principais receptores de eletrônicos europeus de segunda mão na África, testes feitos em uma escola próxima a um centro de reciclagem informal mostraram níveis de chumbo, cádmio e outros poluentes cerca de 50 vezes acima dos níveis considerados seguros.

Recicladores queimam partes de monitores

Na China e na Índia, os maiores países receptores e recicladores de lixo eletrônico na Ásia, trabalhadores realizam – manualmente e sem proteção – a separação de metais de placas de circuito, que liberam resíduos tóxicos no solo e nos rios.

A instituição suíça oferece treinamento e apoio a recicladores em diversos países, em parceria com governos, agências da ONU e empresas de eletrônicos, como a Microsoft, a Nokia e a Hewlett Packard.

De acordo com Schluep, a reciclagem e a extração de materiais de televisores, celulares e computadores quebrados é vista como oportunidade para milhares de comunidades mais pobres, em meio a alertas sobre a possível escassez de metais essenciais para a construção de equipamentos eletrônicos.

Homem conserta uma televisão quebrada

O Empa estima que em 100 mil celulares há cerca de 2,4 quilos de ouro, mais de 900 quilos de cobre e 25 quilos de prata, que valeriam mais de US$ 250 mil (R$ 430 mil) se fossem completamente recuperados.

———————————

Será que enviar lixo tóxico para países pobres também é considerado “ajuda humanitária” pela ONU???

Burgos Cãogrino – http://burgos4patas.blogspot.com.br

Fonte: Angola Press , UOL , bbaronti

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s